Colóquio Internacional "Redução de Desastres e Recuperação em Comunidades Locais", 12 de maio de 2016, Auditório da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC), Coimbra, Portugal

Sessão de Abertura e Intervenções do Colóquio Internacional "Redução de Desastres e Recuperação em Comunidades Locais" realizado a 12 de maio de 2016 no Auditório da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC).

Sessão de Abertura - Por José Manuel Mendes, António Sousa Ribeiro e Eduardo Barata

The Game Changes: The Effect of Human Mobility on Disaster Risk Reduction - Por David Alexander

What counts: calculating the impact of disaster events - Por Zehra Zaid

Vulnerabilidade social, planeamento e resposta das populações - Por José Manuel Mendes

Gestão do risco de inundação: modelos regionais para desafios locais - Por Alexandre Tavares

Proteção das Comunidades Rurais de Fogos Florestais - Por Xavier Viegas

Desastres Naturais e Planeamento Territorial Municipal - Por Fernanda Paula

A perspetiva institucional (ANPC) - Por José Oliveira

Perspetiva Institucional (CCDRC) - Por António Martins

Perspetiva Institucional (Munícipio) - Por João Pardal

A Declaração de Sendai e o Quadro para a Redução do Risco de Desastre 2015-2030, além de apontarem a necessidade de uma adequada governação nas estratégias de redução do risco de desastre, dão especial relevo à recuperação e reconstrução pós-desastre para um regresso à normalidade assente nos princípios de igualdade e da cidadania (lógica do “Build Back Better”).

O Observatório do Risco do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra | OSIRIS e o Institute for Risk and Disaster Reduction do University College London organizam em conjunto este colóquio internacional, uma primeira reflexão conjunta e comparada a partir da vasta experiência destes dois centros de investigação em diferentes contextos mundiais sobre o papel das comunidades locais na redução e recuperação de desastres.

Seminário Internacional Desnaturalização dos Desastres e Mobilização Comunitária: novo regime de produção de saber, 15 e 16 de outubro de 2015, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rio de Janeiro, Brasil

O Seminário é resultado de um conjunto de reflexões e ações que vêm sendo realizadas compartilhadamente entre academia, organizações e movimentos comunitários que identificam a necessidade de aprofundar com a sociedade a discussão em torno do entendimento mais geral do que é um desastre. O desastre na maioria das vezes é visto como uma fatalidade natural, consequência de um evento extremo.
Desnaturalizar o desastre é uma necessidade para reconstrução e recuperação das cidades serranas, a partir de janeiro de 2011, compreendendo-o como um processo de nexo sócio-histórico que foi exposto a partir dos acontecimentos ambientais de chuvas, alagamentos e deslizamentos. Para tanto foram convidados especialistas e pesquisadores, que trabalham nessa direção e que demonstram que a vulnerabilidade socioambiental se ancora desde a descoberta das Américas em processos de assimetria e desqualificação de saberes que não são comuns à população. A combinação entre poder e saber facilita o não-reconhecimento das necessidades dos cidadãos e portanto, a não resolução dessas necessidades de existência e vida.
Desnaturalizar os desastres e fortalecer os movimentos comunitários passam a ser uma condição essencial para que novos regimes de produção do saber possam emergir. Dessa forma, o protagonismo dos cidadãos se coloca numa relação dialógica com conhecimentos técnico-científicos, submetendo a gestão das cidades às necessidades de seus moradores, principalmente em situações de eventos extremos.
As temáticas do seminário foram trabalhadas para que assim esses temas fossem compartilhados com a sociedade em geral e que houve o reconhecimento de que os desastres não terminam imediatamente ao final da situação extrema e que, por seus nexos sócio-históricos, continuam por muitos anos, como é o caso das cidades serranas fluminenses.
Para tanto, o seminário partiu de discussões mais amplas de formações sócio-históricas e ambientais. Em seguida, a partir desta ótica, o próprio tema dos desastres foi tratado considerando suas implicações globais e territoriais. Posteriormente, as discussões chegaram às instituições que lidam diretamente com a população e como a população está organizada neste exato momento.

Coordenação executiva: Sergio Portella, Fiocruz e UC (Observatório Osiris) e Simone Oliveira (ENSP/Fiocruz) Participação: 370 pessoas, no auditório do Museu da Vida, Fiocruz.

Relato Completo (Link)

| Imagens dos cidadãos e envolvimento nos processos de gestão de risco: a perspetiva dos técnicos | 30 OUT 2015 - FEUC |

Por: Maria Luísa Lima (ISCTE-IUL)

Maria Luísa Lima é Professora Catedrática do Departamento de Psicologia Social e das Organizações do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, onde lecciona nas areas de Psicologia Social, Psicologia Social da Saúde e do Ambiente e supervisiona tese de mestrado e de doutoramento nestas áreas. Dirigiu a Escola de Ciências Sociais e Humanas do ISCTE-IUL, foi presidente da Associação Portuguesa de Psicologia, representante da Psicologia no Conselho Científico para as Ciências Sociais da FCT e do Estado Português no Conselho Científico das Ciências Sociais na Fundação Europeia da Ciência. Realizou trabalhos de consultoria para agências governamentais (e.g, o INAG, Câmara Municipal de Lisboa) e empresas privadas (como a EDP, a Soporcel ou a Lipor). Foi membro dos paineis de avaliação de projetos de investigação em Portugal (FCT) e no estrangeiro (e.g., European Research Council, Institut Universitaire de France, Danish Research Council) A sua investigação aplica a psicologia social às questões ambientais e de saúde; mais especificamente estuda as dimensões sociais que afetam a percepção de risco. Tem trabalhado em projectos de investigação interdisciplinares nesses domínios, tanto a nível nacional e internacional.

30 de outubro de 2015 | 11h | Sala Keynes - FEUC, uma iniciativa conjunta do Mestrado em Dinâmicas Sociais, Riscos Naturais e Tecnológicos e do Doutoramento em Território, Risco e Políticas Públicas.

 

Colóquio Narrativas de Trauma: Vítimas, vivências e processos

19 e 20 de junho de 2014, Auditório,

Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

 

Este Colóquio foi um momento de partilha dos principais resultados do "Vítimas, Trauma e Processos Institucionais: Para Além de uma Ética da Vítima", que foram discutidos com associações parceiras do projeto, bem como consultores.

Empiricamente, o projeto propõe-se estudar associações de vítimas em dois países europeus: Portugal e França. Em Portugal: a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima; a Associação dos Familiares das Vítimas da Tragédia de Entre-os-Rios, e a Associação dos Deficientes das Forças Armadas. Em França, a Federação Nacional de Vítimas de Acidentes Colectivos (Fédération Nationale des Victimes d'Accidents Collectifs), o Comité de Défense des Victimes d' AZF, Association de Familles Endeuillées AZF Toulouse, Association AF447 Entraide et Solidarité e a Union Fédérale des Associations Françaises d' Anciens Combattants, Victimes de Guerre et des Jeunesses de l'Union Fédérale . Complementarmente, abordaram-se os modos individuais de gestão da condição de vítima para além dos dispositivos convencionais e da pertença a essas associações.
 

 


Conferência Enhancing Resilience

David Alexander - Institute for Risk & Disaster Reduction - University College London

13 de junho de 2014, 15h00, Anfiteatro 3.1, FEUC

Na sua 4ª edição, o Programa de Doutoramento em Território, Risco e Políticas Públicas, uma iniciativa conjunta das Universidades de Coimbra, Lisboa e Aveiro, realiza a sua conferência de encerramento subordinada ao tema "Enhancing Resilience”, proferida por David Alexander, do Institute for Risk & Disaster Reduction - University College London.

David Alexander é Professor no University College London e investigador do Institute for Risk & Disaster Reduction - University College London. É Chief Senior Scientist no Global Risk Forum, em Davos (Suíça). Publicou, entre outras obras, Natural Disasters (Routledge, 2001), Confronting Catastrophe (Oxford University Press, 2000) e Principles of Emergency Planning and Management (Oxford University Press, 2002). É editor-chefe da revista International Journal of Disaster Risk Reduction e membro fundador do Institute of Civil Protection and Emergency Management. Ensina planeamento e gestão de emergência e tem interesses de pesquisa nesta área. É Visiting Professor nas Universidades de Bournemouth e Northumbria, no Reino Unido.

Filme disponível em: http://saladeimprensa.ces.uc.pt/?col=canalces&id=10390

 

 


Estágio de Observação

O Centro de Trauma/ Observatório do Risco do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra acolheu de  28 de Janeiro a 7 de Fevereiro de 2014 um estágio de observação de dois médicos de saúde mental/ psiquiatria do Serviço de Atendimento Móvel de Urgências-SAMU do Governo do Distrito Federal do Brasil.
Este estágio integra-se no seu plano formativo com vista à preparação para um melhor atendimento em desastres, catástrofes, grande eventos e eventos com múltiplas vítimas. Estes dois profissionais estão envolvidos na reestruturação do serviço que integram com vista à preparação do Campeonato do Mundo de Futebol da FIFA a ter lugar no Brasil entre Junho e Julho de 2014.
Durante a sua estadia no Centro de Estudos Sociais tiveram oportunidade de contactar com algumas das instituições parceiras do Centro de Trauma, nomeadamente a Autoridade Nacional de Proteção Civil, a Guarda Nacional Republicana, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, a Cruz Vermelha Portuguesa,  e outras estruturas locais de Coimbra como por exemplo o Centro Distrital de Coordenação de Socorro (CDOS) e o Serviço Municipal de Proteção Civil de Coimbra.
O estágio encerrou com um seminário/debate intitulado “Modelos de Intervenção em crise: uma reflexão”.
 


SEMINÁRIO
"Modelos de Intervenção em Crise: uma reflexão"

6 de fevereiro de 2014, 17h00

CES (Sala 1, Coimbra)

Resumo

Iniciativa em que serão debatidos modelos de intervenção em situações de crise, apresentando experiências diversas de intervenção em comunidade em diferentes países, nomeadamente, Argentina, Brasil e Portugal.

Intervenções: José Manuel Mendes (CES), Lía Zóttola (CES), Marcelo Henrique de Souza e Silva Martins (Médico-NUSAM/SAMU), Rafael Vinhal da Costa (Médico-NUSAM/SAMU) e Rafaela Lopes (CES)

 

Para mais informações clique aqui.

 


 

Ciclo de Lançamentos/Debates CES/Almedina
Lugares da Cidadania
Outubro 2013 - Janeiro 2014
 

 

Lançamento/ "Os Lugares (Im)possíveis da Cidadania; Estado e Risco num Mundo Globalizado" de Pedro Araújo e José Manuel Mendes
31 de janeiro de 2014
, 18h30, Almedina Estádio Cidade de Coimbra
 

Comentário de Ricardo Garcia (Jornalista do Público)