PT | EN | ES
Coordenadores/as das Sessões

Epistemologias do Sul IV - O fim de um império cognitivo: o que virá a seguir?

21 a 29 de junho de 2018, Curia (Portugal)

 

 

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos é professor de sociologia na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra; Distinguished Legal Scholar na Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin-Madison e Global Legal Scholar na Universidade de Warwick. É o Diretor Científico do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa. Dirige o projeto ALICE – Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas. Publicou largamente sobre os processos de globalização, o direito e a justiça, o Estado, epistemologia, democracia e direitos humanos, em português, espanhol, inglês, italiano, francês e alemão. Entre as suas publicações recentes mais relevantes em português encontram-se: Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos (Cortez Editora, 2013); Epistemologias do Sul , (Cortez, 2012);Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (Boitempo, 2007); A gramática do tempo. Para uma nova cultura política (Afrontamento, Cortez, 2006); Fórum Social Mundial: Manual de Uso (Cortez, Afrontamento, 2005); A Crítica da Razão Indolente: Contra o Desperdício da Experiência (Afrontamento, Cortez, 2000). > saber mais

 
Bruno Sena Martins

Bruno Sena Martins é Investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES). Actualmente, desempenha no CES as funções de Vice-presidente Conselho Científico e de Co-coordenador no Programa de extensão académica "O Ces vai à Escola." É ainda Co-coordenador do Programa de Doutoramento "Human Rights in Contemporary Societies." É docente no Programa de Doutoramento "Pós-colonialismos e cidadania global." Entre 2013 e 2016, foi Co-coordenador do Núcleo "Democracia, Cidadania e Direito" (DECIDe). É Licenciado em antropologia e doutorado em sociologia. Os seus temas de interesse preferenciais são o corpo, a deficiência, os direitos humanos e o colonialismo. No âmbito da sua pesquisa realizou trabalho de campo em Portugal, na Índia e em Moçambique, mantendo ainda estreitas ligações com a academia Brasileira. Realizou dois filmes documentais de divulgação científica. Em 2006, foi galardoado com Prémio do Centro de Estudos Sociais para Jovens Cientistas Sociais de Língua Oficial Portuguesa. Em 2007, esteve como Research Fellow no Centre for Disability Studies (CDS), na School of Sociology and Social Policy da Universidade de Leeds.saber mais

 
Inês Nascimento Rodrigues

Inês Nascimento Rodrigues é investigadora em pós-doutoramento no projeto "CROME - Memórias Cruzadas, Políticas do Silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais", coordenado por Miguel Cardina e financiado pelo Conselho Europeu de Investigação. É doutorada em Pós-colonialismos e Cidadania Global pelo CES/FEUC, onde desenvolveu uma investigação sobre as representações do Massacre de Batepá em São Tomé e Príncipe. Tem 10 anos de experiência de rádio na RUC e é DJ nas horas vagas. > saber mais

 
João Arriscado Nunes

João Arriscado Nunes é Professor Catedrático da Universidade de Coimbra, co-coordenador do Programa de Doutoramento "Governação, Conhecimento e Inovação" e Investigador do CES. Foi Pesquisador Visitante na Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), no Rio de Janeiro. Os seus interesses de investigação centram-se nas áreas dos estudos de ciência e de tecnologia (em particular, da investigação biomédica, ciências da vida e da saúde pública, da relação entre ciência e outros modos de conhecimento), da sociologia política (democracia, cidadania e participação pública, nomeadamente em domínios como ambiente e saúde) e teoria social e cultural (com ênfase no debate sobre as "duas culturas"). Mais recentemente, coordenou os projectos de investigação "Avaliação do estado do conhecimento público sobre saúde e informação médica em Portugal", no âmbito do Programa Harvard Medical School - Portugal e "BIOSENSE". Coordenou e participou em vários projectos nacionais e internacionais. Co-organizador dos livros Enteados de Galileu: A Semiperiferia no Sistema Mundial da Ciência (Porto: Afrontamento, 2001); Reinventing Democracy: Grassroots Movements in Portugal (London: Frank Cass, 2005) e Objectos Impuros: Experiências em Estudos Sobre a Ciência (Porto: Afrontamento, 2008) e autor de publicações diversas. > saber mais

 
José Manuel Mendes

José Manuel Mendes é Professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e investigador no Centro de Estudos Sociais. A sua investigação tem-se centrado nas áreas das desigualdades, da mobilidade social, dos movimento sociais e da ação coletiva. Mais recentemente, o seu principal foco de trabalho incide sobre as questões do risco e da vulnerabilidade social. É co-coordenador do Observatório do Risco (OSIRIS) e do Centro de Trauma, ambos criados no âmbito do CES. Entre as suas publicações mais recentes, destacam-se Os lugares (im) possíveis da cidadania. Estado e risco num mundo globalizado (co-organizado com Pedro Araújo, Almedina, 2013) e Do ressentimento ao reconhecimento: vozes, identidades e processos políticos nos Açores (1974- 1996) (Afrontamento, 2003). > saber mais

 
Leire Mesa
Leire Mesa, País Basco 1987. Artista de circo dedicada à criação, geradora de ações e sinergias para circo, teatro e diversas rebeliões. O circo é sua disciplina como linguagem de palco e o Trapézio sua especialidade de circo. O seu trabalho com o corpo passou por dança, teatro gestual e atualmente estuda com Alexander Sasha Gavrilov para melhorar sua capacidade de verticalista. Seu início no treinamento de circo, em diferentes áreas de educação não regulamentada, levou-a a atuar e viajar pelo mundo. Foi cofundadora da companhia de teatro-circo da rua Atropecias del País Vasco. Viaja para Bristol para estudar na escola oficial Circomedia. Na Inglaterra, trabalha com a empresa Nofit State no espetáculo Bianco. Mais tarde, como resultado de sua colaboração com a diretora Firenza Guidi, faz, com ela, a sua primeira exposição individual, I Live. Em 2015, apresenta sua tese Twisting the Balance como um itinerário de trabalho, pesquisa e metodologia, dentro do programa da Master NPP da DOCH University em Estocolmo. O projeto nasce da necessidade de se desviar da prática circense em interação com outras formas artísticas, sociais e políticas. Fundou a Cie Twisting the Balance. Trabalha para a Circus Company Animal Religion no Sapiens Zoo, cria o projeto da comunidade INK em Alby (Estocolmo), colabora no espetáculo Circus Circus do metrô para Madina no Líbano.
Completou recentemente um curso de pós-graduação na Universidade de KKH (Estocolmo) em arquitetura/cidades/utopias, criando a exposição INK e a peça performativa Witches, Bitches on the Beaches. Ao mesmo tempo, ela trabalha na organização do Encuentro Voz Láctea: Magdalena Tarahumara e como parte do grupo de consultoria artística para a organização do festival Subcase em Estocolmo.
 
Maria Paula Meneses

Maria Paula Meneses é investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. É também membro do Centro de Estudos Sociais Aquino de Bragança, em Moçambique. De entre os temas de investigação com que trabalha atualmente assumem destaque os debates pós-coloniais; o pluralismo jurídico com especial ênfase para as relações entre o Estado e as "autoridades tradicionais" no contexto africano; e o papel da história oficial, da memória e das "outras" histórias no resgate de um sentido mais amplo de pertença no campo dos processos identitários contemporâneos, especialmente no contexto geopolítico africano.
Maria Paula Meneses tem lecionado em várias universidades, entre as quais estão a Universidade de Sevilha (Espanha); a SOAS (Reino Unido); a Universidade de Bayreuth (Alemanha); e a Universidade Federal Fluminense (Brasil).
Das suas obras publicadas destacam-se: O Direito por fora do Direito: as instâncias extra-judiciais de resolução de conflitos em Luanda (Co-organizado com Júlio Lopes, Almedina, 2012); Epistemologias do Sul (co-organizado com Boaventura de Sousa Santos, Cortez, 2012); Law and Justice in a Multicultural Society: The Case of Mozambique (co-organizado com Boaventura de Sousa Santos e João Carlos Trindade, CODESRIA, 2006). > saber mais

 
Mick Mengucci
Músico, performer e engenheiro de multimédia. Italiano a residir em Lisboa desde 1998, combina habilitações científicas e académicas com a música, a poesia e a arte. Trabalha como animador e cantor em várias bandas e coordena projetos artísticos que aliam a spokenword à interação multimédia. Com um doutoramento em  processamento de imagem digital pelo IST, a sua investigação tem-se centrado na área da interação digital para o desenvolvimento de sistemas e instalações interativas para eventos, performances e dispositivos SSD (sensory substitution devices). Dinamiza workshops em escolas em torno da poetry slam, das artes digitais e da musicalidade em colaboração com outros profissionais e artistas através do Lab.I.O. – Laboratório de Interação e Oralidade. Organiza  eventos de Poetry Slam desde 2010.  Slammer por paixão e declamador de textos, tem emprestado a voz para dobragens e ocasionalmente trabalha como ator. Tem colaborado com músicos de origens e influências diversas > saber mais
 
Raquel Lima
Raquel Lima nasceu em 1983 (Lisboa). Licenciada em Estudos Artísticos pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, trabalha no Centro de Estudos Comparatistas da mesma faculdade. É atualmente aluna de Doutoramento do Programa Pós-Colonialismos e Cidadania Global (CES-FEUC) na Universidade de Coimbra. A sua investigação centra-se em literatura, tradição oral, subalternidades, diásporas e feminismos. Colaborou em diversas estruturas artísticas enquanto gestora cultural, na área da dança contemporânea, teatro, música, literatura, arquitetura, performance, cinema e artes visuais. Em 2011 fundou a Associação Cultural Pantalassa para a mobilidade artística no espaço lusófono. Escreve poesia para ser dita, tendo participado em vários eventos nacionais e internacionais dedicados à palavra e ao spokenword, em Itália, França, Polónia, Reino Unido, Bélgica, Brasil, Estónia, Espanha, Holanda, São Tomé e Príncipe, Suécia e Suiça. Publicou os seus poemas em fanzines, antologias poéticas e coletâneas de literatura experimental, como as Edições Côdeas, o 3,2,1,SLAM!, Fazedores de Letras, Poetas do Povo, a fanzine feminista PPKDanada e antologia Crazy Tartu. Enquanto formadora de workshops de Poesia destaca o Slam São Tomé, no âmbito da residência artística ‘Portugal Contemporâneo com São Tomé e Príncipe’, o projeto ‘Palavra Dita e Feita‘ em Lisboa e no Porto, o 1º Poetry Slam Lusófono no âmbito da IV Bienal de Culturas Lusófonas e o Workshop ‘Poesia e Género’ em Tartu, Estónia (2015) e São Paulo, Brasil (2017). Entre 2012 e 2017 fez a Coordenação Geral do PortugalSLAM – Plataforma e Festival Internacional de Poesia e Performance. > saber mais 
 
Renan Inquérito

Brasileiro, mestre em Geografia pela Unicamp e doutorando pela Unesp. Iniciou sua trajetória como docente em assentamentos rurais, depois deu aulas para o ensino fundamental, médio, cursinho e faculdade. Artisticamente atua no movimento hip-hop desde 1997, quando fundou o grupo de rap Inquérito, com o qual gravou 5 discos ao longo da carreira.
Com três livros de poesias publicados seu trabalho mistura arte e educação pelo viés do hip-hop e da literatura. Na dissertação de mestrado “Cada Canto um Rap, Cada Rap um Canto”, (Unicamp, 2012), contou a história das regionalidades brasileiras através do rap. Assinou o roteiro da Ópera Rap Global em parceria com o sociólogo Boaventura de Sousa Santos, com quem também realiza pesquisas e prepara um livro.> saber mais 

 
Sara Araújo

Sara Araújo é investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e uma das coordenadoras da Escola de Verão. Doutorou-se em Sociologia do Direito com uma tese sobre pluralismo jurídico e Epistemologias do Sul. Fez parte da equipa de coordenação do Projeto Alice, hoje transformado em Programa de Investigação em Epistemologias do Sul. Pertence ao coletivo que coordena a Universidade Popular dos Movimentos Sociais na Europa. Fez parte do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa (2003-2005), foi membro da equipa de investigadores/a do Centro de Formação Jurídica e Judiciária de Moçambique (2005-2006) e investigadora associada do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane (2008-2010). Foi co-organizadora do livro A dinâmica do pluralismo jurídico em Moçambique (2014) e publicou vários artigos em revistas científicas sobre a justiça em Moçambique e a descolonização do Estado e do direito. É co-autora de dois capítulos no livro Retratos da justiça moçambicana: Redes informais de Resolução de conflitos em espaços urbanos e rurais (Org. André Cristiano José, 2016); autora, entre outros, de um capítulo no livro A ciência ao serviço do Desenvolvimento? Experiências de países africanos falantes de língua oficial portuguesa (org. Teresa Cruz e Silva e Isabel Casimiro, 2015), um capítulo no livro In Search of Justice and Peace. Traditional and Informal Justice Systems in Africa (Org. Manfred Hinz e Clever Mapaure, 2012); e um capítulo no livro Pluralismo Jurídico. Os novos caminhos da contemporaneidade (Org. Antônio Wolkmer, 2010). Os seus interesses de investigação incluem pluralismo jurídico, constitucionalismo transformador, cartografias jurídicas pós-abissais, direitos humanos e interculturalidade, educação popular, ecologia de saberes e de justiças. Tem experiência de trabalho de campo em Portugal, Moçambique e Timor-Leste  > saber mais

 
Teresa Cunha

Teresa Cunha nasceu no Huambo em Angola e vive em Coimbra, Portugal. Doutorada em Sociologia pela Universidade de Coimbra. Realiza um projecto pós-doutoral sob o título: Women InPower Women. Democracy, dignity and good-living in Mozambique, South Africa and Brazil. É investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. É Professora na Escola Superior de Educação de Coimbra, Formadora Sénior dos Centros Europeus de Juventude do Conselho da Europa e presidente da ONGD 'Acção para a Justiça e Paz'. Estudou teologia, filosofia, ciências da educação e sociologia. Os seus interesses de investigação são feminismos e pós-colonialismos no Índico; mulheres transição pós-bélica, seguranças e memórias; economias feministas; direitos humanos. Publicou os seguintes livros: Ensaios pela Democracia. Justiça, dignidade e bem-viver; Elas no Sul e no Norte; Vozes das Mulheres de Timor; Timor-Leste: Crónica da Observação da Coragem; Feto Timor Nain Hitu - Sete Mulheres de Timor; Andar Por Outros Caminhos; Raízes da ParticipAcção, para além de artigos em revistas científicas e capítulos de livros em vários países e línguas. > saber mais

 

editar
    
Compete 2020 FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia POVT - Programa Operacional Temático Valorização do Território Universidade de Coimbra