Outros estudantes de Doutoramento
 
fotografia de Aida Dias


Aida Dias


aidadias@ci.uc.pt
aida@ces.uc.pt
aida.dias.21@gmail.com

Aida Dias é licenciada em Psicologia, na área de Clínica Cognitivo-comportamental, pela Faculdade de Psicologia e Ciencias da Educação da Universidade de Coimbra. Tem trabalhado na área na área de stress pós-traumático, tendo como interesses actuais o maltrato de infância e a compreensão das consequências da guerra nas famílias de ex-combatentes. Tem participado em reuniões científicas nacionais e internacionais sobre a temática, colaborando com projectos europeus sobre a intervenção psicossocial em situações de crise. Colaborou com o projecto "Filhos da Guerra:pós-memória e representações", coordenado por Margarida Calafate Ribeiro e financiado pela FCT (PTDC/ELT/65592/2006)
Actualmente, é aluna de doutoramento na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Utrecht, Holanda com o financiamento da FCT (SFRH/BD/68995/2010). O seu projecto de investigação analisa consequências do maltrato de infância ao longo da vida. - POSI and FSE).

Projeto de Tese de Doutoramento

Mitigar: consequences of child maltreatment in adults in Portugal and public health actions
Orientação: Kleber Rolf, José Manuel Mendes e Luisa Sales
Financiamento:

É crescente a evidência científica da relação entre os problemas de saúde ao longo da vida e o anterior maltrato na infância. Este tem sido considerado um fator de risco para várias perturbações de saúde mental e diversos níveis de incapacidade, aos quais estão associados para além de outros, elevados custos financeiros. No entanto, o maltrato de infância tem sido pouco estudado nos países do sul da Europa. Acresce que a investigação existente tem-se focado mais no abuso físico e sexual do que noutras formas de maltrato menos evidentes, tais como o abuso emocional e a negligência, e sobretudo em populações clínicas ou em grupos notificados pelas instituições de proteção de menores. Mas em que medida é que o anterior maltrato de infância afeta adultos na comunidade? E como é que os sistemas de saúde pública poderão minimizar as suas consequências ao longo da vida? Em países como Portugal, cujas taxas de prevalência de perturbações de saúde mental são elevadas em comparação com outros países europeus e em que existem fatores de risco acrescido para o maltrato de infância (tais como baixa escolaridade, pobreza e taxas elevadas de doenças mentais) é prioritário conhecer em que medida é que a população adulta é afectada, e como é que as suas consequências poderão ser aliviadas.



Esta investigação estudou a prevalência de cinco formas de maltrato de infância – abuso sexual, abuso físico, abuso emocional, negligência física e negligência emocional numa amostra de 1200 adultos da comunidade portuguesa e analisou a sua relação com sintomas psicológicos, revitimização e stress pós-traumático. Atendendo à importância histórica e cultural da Guerra Colonial na sociedade portuguesa, foi também estudada a influência da exposição parental à Guerra e à perturbação de stress pós-traumático no risco de maltrato de infância nos filhos de ex-combatentes.



Para além dos estudos em amostras portuguesas, esta investigação analisou também a necessidade de implementar medidas de saúde pública para mitigar consequências do anterior maltrato de infância em adultos na comunidade. Para tal, foi analisada a literatura científica sobre fatores de resiliência e protocolos terapêuticos para consequências clínicas associadas ao maltrato de infância. Usando o método de Delphi foram também documentadas opiniões de 90 profissionais, maioritariamente da região europeia.



Os resultados indicaram que mais de 14% dos adultos na comunidade que estudámos foram expostos a situações moderadas a severas de maltrato durante a sua infância. A negligência emocional foi a forma de maltrato mais reportada, mas o abuso emocional apresentou mais fortes correlações com sintomas psicológicos e com o diagnostico de stress pós-traumático. Observou-se também que a exposição ao abuso emocional foi concomitante com todas as outras formas de maltrato avaliadas, interagindo de forma significativa com o abuso físico, negligência emocional e negligência física para estimar a ocorrência de sintomas psicológicos e de stress pós-traumático. Adultos expostos a maltrato de infância apresentaram o dobro de probabilidade de revitimização ao longo da vida, e o triplo do risco de desenvolverem o diagnóstico de stress pós-traumático.



O estudo da transmissão de consequências de maltrato de infância na descendência de veteranos de guerra portugueses indicou que os filhos de pais expostos, com diagnóstico de stress pós-traumático reportaram maior exposição a negligência emocional, ao invés dos seus pais que reportaram exposição acrescida a situações de abuso, durante a sua própria infância. Por outro lado, pais expostos à guerra e sem o diagnóstico de stress pós-traumático transmitiram mais frequentemente as suas próprias experiências de abuso para os seus filhos.



A revisão da literatura sobre resiliência e intervenções terapêuticas permitiram-nos identificar características trans-diagnósticas, nomeadamente a regulação emocional, as competências sociais e o auto-conceito, que poderão ser intervencionadas usando programas de saúde pública. Profissionais europeus consideraram necessários esses programas para mitigar as consequências de maltrato de infância em adultos, sendo a prevenção da transmissão dos seus efeitos para as gerações futuras o principal benefício daí decorrente. No entanto, possíveis riscos associados à medicalização de dificuldades ligeiras e revitimização foram também salientados. Programas de saúde pública com intervenções que cubram as necessidades das pessoas afectadas, usando estratégias personalizadas, autogeridas e baseadas em recursos informáticos (e-mental-health), assim como formação adequada dos profissionais de saúde, poderão minimizar os riscos identificados. Outra estratégia proposta foi o desenvolvimento de intervenções focadas na regulação emocional com eficácia comprovada para serem aplicadas em adultos afectados pelo maltrato de infância. O uso das tecnologias de informação-computação nesta área afigura-se interessante na mediada em que facilitará o acesso às intervenções, sem no entanto sobrecarregar os sistemas de saúde com despesas inerentes às intervenções presenciais.



Consideramos que a nossa investigação contribui de forma significativa, para o desenvolvimento de programas que mitiguem as consequências do maltrato de infância ao longo da vida. Contudo, limitações tais como o uso de dados transversais e de instrumentos de auto-preenchimento na avaliação do maltrato de infância, bem como o possível viés na seleção dos profissionais que participaram no estudo Delphi, devem ser tidas em conta na leitura das conclusões do nosso estudo.



Os resultados obtidos apoiam a hipótese de que o abuso emocional é um tipo de maltrato tão nocivo como outros mais evidentes, requerendo portanto melhorias nas formas de prevenção e intervenção nas suas consequências. Através do aumento da sensibilização da comunidade acerca das consequências do maltrato de infância ao longo da vida, da formação adequada de profissionais e do desenvolvimento de programas de intervenção na regulação emocional, os sistemas de saúde pública poderão responder de forma mais eficaz ao problema do maltrato de infância. No entanto, é necessário conhecer melhor as necessidades das pessoas afectadas. A redução de danos associados ao maltrato de infância em adultos deverá ser perspetivada pelas organizações de saúde publica e proteção de menores como uma oportunidade para reforçar a prevenção primária.


Capítulos em livros

Dias, Aida; Sales, Luisa (2006), A experiência do Acompanhamento Psicológico dos Meninos do Projecto , in Carlos Lopes Pires (org.), Stress Pós-Traumático: Modelos, Abordagens e Práticas. Leiria: Editorial Presença, 121-133.

Sales, Luisa; Guardado Pereira, Fernando; Dias, Aida (2006), Stress Pós-traumático em Ex-combatentes Portugueses, in Carlos Lopes Pires (org.), Stress Pós- Traumático: Modelos Abordagens e Práticas. Leiria: Presença, 108-120.


Artigos em revistas científicas

Dias, Aida; Sales, Luisa ; Hessen, Dave; Kleber, Rolf (2014), "Child maltreatment and psychological symptoms in a Portuguese adult community sample: the harmful effects of emotional abuse", European Child and Adolescent Psychiatry, 1-12.

Dias, Aida; Sales, Luisa ; Mota Cardoso, Rui; Kleber, Rolf (2014), "Childhood maltreatment in adult offspring of Portuguese war veterans with and without PTSD", European Journal of Psychotraumatology, 5.

Dias, Aida; Sales, Luisa ; Carvalho, António; Castro-Vale, Ivone; Kleber, Rolf; Mota Cardoso, Rui (2013), "Estudo de propriedades psicométricas do Questionário de Trauma de Infância - versão breve numa amostra portuguesa não clínica", Laboratório de Psicologia, 11, 2.

Dias, Aida; Pinto, Ana; Carvalho, António; Vale, Ivone; Sales, Luisa ; Mota Cardoso, Rui (2010), "Impact Event Scale –revised (IES-r): adaptação num grupo exposto a acidentes de viação", Laboratório de Psicologia, Submetido para revisão.

Dias, Aida (2009), "War's Mental Health Legacies for Children of Combatants", Peace Review: A Journal of Social Justice, 21, 2, 182 - 187.

Sales, Luisa; Guardado Pereira, Fernando; Dias, Aida (2004), "PTSD e Peritagem Médico-Legal", Revista Portuguesa de saúde Militar, 1, 9-14.


Artigos em atas de eventos

Dias, Aida (2013-06-04), "Childhood maltreatment and the risk for revictimization and PTSD in Portuguese community subjects": European Journal of Psychotraumatology

Dias, Aida (2013-06-04), "Looking for community interventions for adults exposed to childhood maltreatment": European Journal of Psychotraumatology

Dias, Aida (2013-06-04), "Traumatic postmemory: the children of the Colonial War": European Journal of Psychotraumatology


Comunicações em encontros científicos

Dias, Aida; Mooren, Trudy; Sales, Luisa ; Kleber, Rolf (2014), The need for public health actions to mitigate consequences of child maltreatment among adults in the community: Preliminary results of an European Delphi Study, comunicação apresentada na/o International Symposium on Traumatic Stress Studies, 06 a 08 de Novembro.

Sousa Ribeiro, António; Sales, Luisa ; Calafate Ribeiro, Margarida; Dias, Aida (2013), Traumatic postmemory: the children of the Colonial War, comunicação apresentada na/o 29th International Symposion on Traumatic Stress Studies, Philadelphia, USA, 07 a 09 de Novembro.

Sales, Luisa ; Dias, Aida; Carvalho, António; Furet, Artur ; Roque, Mário (2013), Poster "Psychological impact and cortisol response of Portuguese military to peace mission deployment in Afghanistan", comunicação apresentada na/o 29th International Symposium on Traumatic Stress Studies, Philadelphia, USA, 07 a 09 de Novembro.

Dias, Aida; Sales, Luisa ; Kleber, Rolf (2012), Relations between Childhood Trauma and Psychological Symptoms in the Portuguese Population, comunicação apresentada na/o Abuse & Neglect across life span, Leiden, The Netherlands, 04 a 05 de Outubro.

Dias, Aida; Kleber, Rolf (2011), Childhood Maltreatment and Psychopathology in Adults – study of Portuguese subjects and war veteran families, followed by the application of the Delphi method, comunicação apresentada na/o ARQ Research Meetings, Diemen, The Netherlands, 22 a 22 de Setembro.

Sales, Luisa; Mota Cardoso, Rui ; Dias, Aida; Castro Vale, Ivone (2011), Estudo da Vulnerabilidade ao Trauma nos Filhos de Ex-combatentes portugueses, comunicação apresentada na/o Os Filhos da Guerra Colonial, Lisboa, Portugal, 14 a 15 de Junho.

Dias, Aida; Sales, Luisa; Mota Cardoso, Rui (2011), How are the Spouses and the Children of the Portuguese War Veterans, 30 years later?, comunicação apresentada na/o European Conference on Traumatic Stress, Viena, Austria, 02 a 05 de Junho.

Dias, Aida; Sales, Luisa ; Kleber, Rolf (2011), Poster: Relations between Childhood Trauma and Psychological Symptoms in the Portuguese Population, comunicação apresentada na/o European Conference on Traumatic Stress, Viena, Austria, 02 a 05 de Junho.

Dias, Aida; Sales, Luisa (2008), Poster com o título Mental Health Legacies of War: Literature Review in Children of Combatants, comunicação apresentada na/o Conferencia Imaging War: Intergenerational Perspectives, Suécia, Vadstena, 03 a 07 de Setembro.

Sales, Luisa; Mendes, José Manuel; Dias, Aida (2008), The TENTS Project and the Portuguese Reality, comunicação apresentada na/o Workshop The psycho-social intervention in maxi-emergency situations: Comparing European realities, Roma, Itália, 17 de Maio.

Sales, Luisa Sales; Guardado Pereira, Fernando Guardado Pereira; Dias, Aida (2007), Stress Pós Traumático em Excombatentes- Peritagem versus Terapia, comunicação apresentada na/o Simpósio A Rede Nacional de Apoio - 5 anos depois, Lisboa, Academia Militar, 21 de Novembro.

Sales, Luisa; Dias, Aida; Guardado Pereira, Fernando (2007), PTSD in Portuguese War Veterans – Therapy versus Legal Reparation, comunicação apresentada na/o European Congress On Traumatic Stress Studies, Croácia, Opatija, 06 a 09 de Junho.

Sales, Luisa; Guardado Pereira, Fernando; Dias, Aida (2005), PTSD em Ex-combatentes – comparação da Avaliação Psicológica de sujeitos candidatos a reparação Médico-legal e sujeitos que frequentam grupos terapêuticos, comunicação apresentada na/o Congresso Nacional de Psiquiatria, Coimbra, 23 a 25 de Novembro.

Sales, Luisa; Dias, Aida (2005), Quem protege o Traumatologista do Trauma, comunicação apresentada na/o XI Encontro de Medicina Militar da CPLP, Porto, 16 a 18 de Novembro.

Dias, Aida; Sales, Luisa (2004), O Acompanhamento Psicológico dos Meninos do projecto Afícra/2003, comunicação apresentada na/o Congresso Internacional de Stress Pós-Traumático, Leiria, 04 a 06 de Novembro.

Sales, Luisa; Guardado Pereira, Fernando; Dias, Aida (2004), PTSD em ex-combatentes e Peritagem Médico-legal, comunicação apresentada na/o Congresso Internacional de Stress Pós-Traumático, Leiria, 04 a 06 de Novembro.

Sales, Luisa; Guardado Pereira, Fernando; Dias, Aida (2003), PTSD e Peritagem Médico-legal, comunicação apresentada na/o IX Congresso de Medicina Militar da CPLP, Brasil, Rio de Janeiro, 01 a 05 de Dezembro.


Relatórios

Margarida Calafate Ribeiro (coord.); Calafate Ribeiro, Margarida ; Sousa Ribeiro, António; Sales, Luisa ; Vecchi, Roberto ; Mota Cardoso, Rui; Dias, Aida; Santos, Hélia; Silva, Mónica (2010), Relatório do projecto "Os Filhos da Guerra Colonial: pós memória e representações", Coimbra: Centro de Estudos Sociais.


Organização de encontros científicos

Membro da Comissão Organizadora de Workshop sobre Intervenção no Trauma Agudo, Coimbra, 23 de Setembro 2006 (com Sales, Luisa).


Cursos de formação avançada

Dias, Aida (2011), participante no Bayesian Statistics, Utrecht, Faculty of Social Sciences - Utrecht University.

Dias, Aida (2011), participante no Multivariate Statistics, Utrecht, Faculty of Social Sciences - Utrecht University.

Dias, Aida (2011), participante no Scientific Writing in English, Utrecht, Faculty of Social Sciences - Utrecht University.

Dias, Aida (2011), participante no Structural Equation Modeling, Utrecht, Faculty of Social Sciences - Utrecht University.

Dias, Aida (2008), participante no Curso de Estatística Computacional, Coimbra, Universidade de Coimbra - Departamento de Matemática.


Projetos de investigação

2007 - 2010 - "Os Filhos da Guerra Colonial: pós-memória e representações", coordenado por Margarida Calafate Ribeiro, financiado por FCT.

2007 - 2009 - "Improve the Preparedness of Psychosocial Help in Events of Crisis", coordenado por Danila Pennachi, financiado por UE DG SANCO, Ministério da Saúde de Itália .


Outras atividades

2007 - EUTOPA - participação no projecto europeu de avaliação e desenvolvimento de guidelines para a intervenção psicossocial pós-catástrofe

CV para download