Clara Ervedosa


Nota biográfica

Clara Ervedosa doutorou-se em Língua e Literatura Alemãs pela Universität Christian-Albrechts Kiel, Alemanha, e pela Universidade de Coimbra em regime cotutelle de thèse. Exerceu funções de Assistente e de Professora Auxiliar na UTAD, de docente na Universidade de Sheffield e Manchester, Reino Unido, assim como na Universidade de Kiel, Alemanha. É investigadora sénior no Centro de Estudos Sociais e editora responsável por temas interculturais e pós-coloniais da Revista IASLonline (Universidade de Munique). A tese de doutoramento "Vor den Kopf stoßen. Das Komische als Schock im Werk Thomas Bernhards" aborda a dimensão cómica do autor austríaco Thomas Bernhad. Ela é lida como parte integrante de uma estética de choque que visa subverter conceitos artístisco-hermenêuticos harmonizantes e totalizantes. O seu trabalho centra-se em questões de diferença, identidade e pós-coloniais na literatura e cultura alemãs. Publicou vários artigos em torno destas questões, particularmente na obra de Yoko Tawada, Emine S. Özdamar e May Ayim. Neste momento, dedica-se a um projeto de investigação interdisciplinar sobre o topos do "Südländer" [gentes oriundas do Sul] na literatura e cultura alemãs. Trata-se de abordar em que medida o topos "Sul" enquanto elemento inspirador na cultura alemã a partir do século XVIII se coaduna com a imagem negativa do Sul que irrompe no discurso público alemão em situações de crise, como por exemplo, durante a crise financeira no início do século XXI.


Últimas Publicações

Artigo em Revista Científica

Ervedosa, Clara (2018), "'Elective affinities': interdiscursive dynamics between football, the economy and nationalism in Germany", National Identities, 1-22

Ler mais

Artigo em Revista Científica

Ervedosa, Clara (2017), "The Calibanisation of the South in the German Public 'Euro Crisis' Discourse", Journal of Postcolonial Studies, 20/2017, 1-26

Artigo em Revista Científica

Ervedosa, Clara (2015), ""Auch die Wörter werden zu Körpern". Body and Sexuality in E.S. Özdamar's Work", Zeitschrift für Interkulturelle Germanistik, 6, 1, 51-70