Ecosol-CES: uma história de 10 anos

Nos próximos dias 22 e 23 de Maio, estaremos celebrando os 10 anos do Ecosol-CES.

Ao longo destes 10 anos, aprendemos muito. Ampliámos nosso diálogo com iniciativas económicas populares e comunitárias, bem como com associações e ativistas em Portugal. Integramos a Rede Portuguesa de Economia Solidária (Redpes). Refletimos, com o apoio de pesquisadores e parceiros, sobre as particularidades da Economia Solidária em Portugal e na Europa, debruçando-nos sobre sua reiterada invisibilidade institucional. Estreitamos nossos laços com investigadores de diferentes países e continentes, sobretudo América Latina, Europa e Ásia. Sonhámos, através da Primeira Summer School Europeia sobre Economia Solidária, com a potência de uma agenda comum que trouxesse à superfície as inúmeras iniciativas económicas organizadas em coletivo pelos próprios cidadãos e invisibilizadas por não se enquadrarem nos critérios valorados pelo empreendedorismo social ou na institucionalidade requerida pela Economia Social. São experiências diversas, em ambiente urbano ou rural, que reacendem ou recriam práticas comunitárias, evocam outras temporalidades e ritmos, conformam novas sociabilidades e valorizam os saberes comunitários ligados à produção material da vida.

Nestes dez anos, realizámos muitas coisas que nem imaginávamos. Não fizemos algumas que tanto queríamos. Mas o saldo parece insinuar que, apesar de sermos ainda um pequeno grupo, temos construído um percurso digno de nota. Até o momento, foram organizados 146 eventos, entre seminários temáticos, conferências, mesas redonda, apoio a mercados de troca e rodas de conversa, além da 1ª Summer School, com participantes de diferentes países e continentes. Nestes dez anos, membros do Ecosol estiveram falando da Economia Solidária em várias regiões de Portugal e em outros países, nomeadamente, Brasil, Espanha, França, Reino Unido, Dinamarca, Finlândia e Japão. Recebemos também docentes, investigadores e doutorandos que fizeram seminários e visitaram o Ecosol-CES, vindos de diferentes países, nomeadamente Brasil, Espanha, França e Japão. Nosso atual quadro de membros é igualmente diversificado, reunindo pesquisadores de Portugal, do Brasil, da Guatemala e da Argentina.

Orgulhamo-nos de tentar ampliar epistemologicamente o quadro teórico da Economia Solidária nos nossos eventos e encontros académicos, aportando contributos que a interpelem e enriqueçam. Entre os contributos teóricos com os quais dialogamos, gostávamos de destacar os estudos rurais, os commons, as Economias Feministas e os feminismos do Sul, as teorias pós-coloniais e decoloniais, as epistemologias do Sul, as Economias Comunitárias, os contributos vindos do Movimento de Transição, entre outras perspetivas.

É neste sentido que convidamos a todas e todos para se juntarem ao Grupo Ecosol-CES nos dias 22 e 23. Faremos um balanço destes 10 anos que se passaram e pensaremos nos próximos 10 que virão, planeando colectivamente o futuro que agora se inicia.