CuCa_RE
Curar e Cuidar_reabilitar

Período
1 de fevereiro de 2017 a 31 de janeiro de 2020
Duração
36 meses
Financiamento
Fundação para a Ciência e Tecnologia
Resumo

Este projecto tem como objectivo estudar os edifícios da saúde construídos em Portugal no século XX e o seu papel na política de saúde, considerando os desafios do futuro resultantes dos desenvolvimentos tecnológicos e médicos, bem como a necessidade de promover um ambiente construído sustentável (ToKiKi14). A rede e as infraestruturas
da saúde são garante da civilização. Alvo de permanentes alterações para responder às necessidades da saúde, estes edifícios serão em breve transformados, desactivados ou até mesmo demolidos.
Nos últimos cinquenta anos, a pobreza e a fome diminuíram significativamente, na medida em que se assistiu a progressos decisivos na saúde e na educação. Isto foi possível graças ao compromisso da modernização com o desenvolvimento científico e tecnológico. No entanto, este impressionante progresso foi também causador de efeitos extremamente nocivos. O esforço de renovar o mundo a partir de estruturas préexistentes caminha no sentido oposto à vontade da novidade permanente que ainda domina o comportamento social dominante. Numa perspectiva histórica, cultural e social, o desenvolvimento de técnicas adequadas à reabilitação, conservação e a um ambiente construído sustentável, implica uma reflexão sobre os edifícios da saúde. Para além disso, é necessário desenvolver uma perspectiva global no que respeita à complexidade do cuidar e curar no século XXI, de forma a abordar a questão da sustentabilidade muito para além dos seus limites materiais, de forma a considerar as grandes questões sociais relacionadas com conceitos culturais, sentimentos de pertença ou valores de identidade.
Efectivamente, o património reconhecido como um recurso estratégico implica o entendimento dos seus aspectos simbólicos, sociais, económicos e ambientais (ToLi14).Nesse sentido, esta pesquisa é dirigida para as estratégias de intervenção considerando quer a conservação quer a reutilização. Para responder aos actuais parâmetros de conforto, segurança e restrições legais, este projecto irá avaliar a tolerância à transformação dos edifícios de saúde, considerando os valores de identidade e autenticidade.
Uma vez que a saúde se tornou tema central no debate político, é fundamental que arquitectos, engenheiros e urbanistas se preparem para acompanhar a medicina e as ciências sociais na procura de uma nova agenda programática, disciplinar e política que responda adequadamente às inovações da ciência médica e da tecnologia. Esta temática necessita de ser encarada no panorama nacional, através de uma análise abrangente capaz de identificar estudos de casos que permitam avaliar da possibilidade de reabilitação das infraestruturas
como uma ferramenta para a promoção de uma vida melhor. Por essa razão, este projecto intitula-se:
CuCa_RE, Curar e Cuidar, reabilitar. O projecto inicia-se com o levantamento e análise dos edifícios da saúde, tipologia que está ainda por estudar em Portugal. Considerará o impacto dos edifícios da saúde no ambiente construído analisando as estruturas edificadas de modo a planear futuras intervenções.
A metodologia adoptada estabelece critérios para a selecção e descrição dos edifícios. Integra várias fontes de informação e aplica o redesenho aos estudos de caso identificados: analisados da implantação aos detalhes construtivos. A partir deste método, será possível estabelecer estratégias de conservação, reabilitação e reutilização. O projecto irá desenvolver um conhecimento significativo para uma prática responsável de projecto.
CuCa_RE será uma contribuição significativa para o conhecimento dos edifícios da saúde e sua reabilitação, já que se concentra no levantamento e documentação dos edifícios existentes bem como nas estratégias de reabilitação e reutilização, estabelecendo uma ligação à sociedade e ao sector da construção. As principais questões a responder são:
De que forma os edifícios de saúde edificados em Portugal responderam às necessidades do século XX?
Equacionando a tolerância à mudança de que forma é possível reabilitar estes edifícios preservando valores identitários e de autenticidade?
Enfrentando os desafios do futuro, qual é o potencial dos edifícios de saúde para responderem de forma integrada à demanda da inovação social?

Resultados

Os resultados do projeto incluem a criação de uma base de dados online com informação acerca dos edifícios de saúde em Portugal  no Sec. XX; a organização de eventos científicos (workshops, seminários uma conferência internacional) e de uma exposição; a publicação de um livro e de um Guia de Boas Práticas.

Parceiros

Este projeto é coordenado pelo IST-ID (Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação e o Desenvolvimento), tendo como Investigadora Responsável Ana Tostões, IST-ID.

Entre os parceiros, além do CES, contam-se a Administração Central do Sistema de Saúde, I.P.; a DireçãoGeral do Património Cultural (DGPC); a organização Docomomo Internacional; a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; a Fundação Calouste Gulbenkian e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Palavras-Chave
arquitectura, saúde, reabilitar, inovação social